Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escadas Rolantes

Na minha terra costuma dizer-se: Quando a merda chega à ventoinha, ficam todos cagádos!

Escadas Rolantes

Na minha terra costuma dizer-se: Quando a merda chega à ventoinha, ficam todos cagádos!

27
Mar14

DEUS ABENÇOE OS JORNALISTAS!

escadas

 

 

40 anos depois de Abril de 1974, de uma coisa podemos estar certos, Portugal não é o mesmo!

Resta saber se estamos melhor ou pior.

Numa altura em que a Europa vira perigosamente à direita em circunstâncias nunca antes vistas, o populismo bacoco e demagógico, toma conta do nosso dia-a-dia.

Veja-se o caso da Ucrânia. Num dia, hasteiam-se as bandeiras da sempre democrática vontade popular, para logo no dia seguinte se indignarem por essa mesma frente libertária, ser afinal a frente de batalha de uma extrema-direita com ligações aos sociais fascistas alemães.

A maioria dos jornalistas portugueses, tratou esta questão com uma indiferença inquietante, como se a Ucrânia fosse numa outra galáxia, ou, o que é mesmo mais preocupante, se tivessem abordado o diferendo, de uma forma absolutamente gratuita e mais tarde terem compreendido que tinham errado e não quiseram dar a mão à palmatória.

O jornalismo português tem destas coisas. É tremendamente “naif”!

Durante anos, vendeu-se ao poder político, em troca de meia dúzia de tostões. Deixou-se manipular, rendeu-se a um poder fátuo e oligárquico. Quando acordou, reivindicou o estatuto de virgem arrependida, mas já era tarde demais!

É dos livros; Uma sociedade analfabeta é mais facilmente controlada. Salazar sabia disso, e manteve no obscurantismo durante quase 50 anos, todo um País. Negou-lhe o acesso à educação e á cultura e fechou as fronteiras para que nada pudesse contagiar esta sua doutrina. Estava eu a escrever estas linhas quando constato que o canal TVI, acaba de colocar hoje mesmo, dia 27 de Março, esta notícia: Idosa morre a jogar às cartas com uma mão perfeita. 

Entre esta “fantástica” noticia e a pseudo reportagem sobre o drama do Meco que Ana Leal tem realizado no mesmo canal de televisão, a diferença é mínima, mas em ambos os casos está patente o provincianismo arcaico a que estamos sujeitos neste pequeno País.

Calculo que Ana Leal não tenha estudado na BBC, nem por lá tenha estagiado, o que neste caso a deixa pior colocada no ranking nacional dos “Não Me Critiquem Que Eu Estudei No Estrangeiro”.

Nos últimos anos, a agenda mediática tem sido gerida como se de uma casa de meninas se tratasse. “Se não me deixas ir para Washington, passo a dizer mal de ti” - “vou dizer bem de ti e depois arranjas-me um lugar no ministério, ok?” – “olhe…o sr. Presidente manda pedir que invente aí uma coisa a dizer que o andam a escutar atrás das portas, não se importa? A gente depois acerta contas”.

Como se tudo isto não chegasse, temos ainda o caso dos comentadores (mais comentadeiros que outra coisa) que ao abrigo de uma qualquer agenda privada, usam e abusam do espaço publico que lhe é concedido pelos media. Não importa saber se são entendidos no assunto em questão, normalmente, um comentador sabe porque sabe, opina sobre todas as matérias e tem certezas absolutas sobre quase tudo. De futebol à problemática do piolho na couve-de-bruxelas, passando pelo conflito no atol da Rangirosa, ou à importação ilegal das miniaturas de garrafas de vinho do porto, tudo é passível de ser comentado pelo mesmo especialista.

Poder-se-á perguntar: mas não seria de esperar que os canais de televisão, ou mesmo os jornais e as rádios convidassem, professores universitários, investigadores ou mesmo cientistas, para falarem das “coisas”? Pois podiam, mas isso era correr o risco de se confrontarem com pessoas mais cultas e esse é um risco que não podemos correr, não é???????

Até já estou a ver: “Tou, fala do ISCTE? Olhe, não nos arranjam alguém para vir ao Jornal das 9, para falar sobre o impacto da relevância das Redes Sociais no programa eleitoral dos partidos políticos? Mas olhe que tem que ser alguém que não seja tão inteligente como o nosso pivot…”

Resposta do lado de lá: “lamento, mas a única formiga que tínhamos disponível emigrou para os Emiratos Árabes Unidos”.

Convenhamos, é mais bonito ter em directo um avozinho qualquer, a comparar os pelos púbicos com a situação económica portuguesa, do que ter Sampaio da Nóvoa a dissertar sobre os caminhos que devemos percorrer!

Há que ter consciência de uma coisa; o populismo neo liberal tomou de assalto as nossas vidas, comanda o nosso destino e a culpa por eles cá estarem é toda nossa. Se alguém tinha dúvidas existenciais sobre a diferença entre ser-se de direita e de esquerda, aqui têm a demonstração pura e dura daquilo que nos opõe, a esta corja de sanguessugas peçonhentas.

Não olham a meios para atingirem os seus fins, mentem descaradamente, manipulam e votam ao ostracismo quem lhe fizer frente. As regras do jogo são constantemente alteradas, com o único intuito de ludibriar, confundir, enganar. São os arautos do “Novo Mundo”, gente sem escrúpulos com acesso privilegiado aos meios de comunicação e que nos intoxicam diariamente com meias verdades ou realidades alternativas.

Em meia dúzia de meses, são promovidos pelos mesmos media a especialistas da “coisa” e passam a ser considerados pelos mesmos, como “ortodoxos” da palavra dada.

Os Camilos Lourenços e Cintra Torres desta vida, não são mais do que correias de transmissão de uma ideologia reacionária e fascizante. Fizeram escola e encontram seguidores nas doces e melosas promessas de um futuro risonho e próspero se… fizermos tudo o que eles mandam sem pestanejar, porque…ELES É QUE SABEM ELES É QUE TÊM RAZÃO, ELES É QUE ESTUDARAM NO ESTRANGEIRO!

No fundo, não passam de pessoas com a sua sexualidade mal resolvida. São pessoas que um dia acordaram e foram confrontados com o boato de que José Sócrates poderia um dia ser “o tal”, a sua alma gémea, o homem que um dia os poderia levar ao altar. Perante esta possibilidade, até a próstata rejubilou de alegria.

O sonho terminou pouco tempo depois, quando mesmo boato, indicava que afinal Sócrates já tinha um pretendente.

“Porquê, meu deus, porquê…” terão questionado os céus! “Porquê ele e não eu, o que terá um simples actor de teatro a mais do que eu? Já sei, estudou em Londres, no estrangeiro, Ah malandro que desta vez já me ganhaste” terão concluído!

Vendo bem as coisas, isto é informação a mais para qualquer pessoa. Perante isto, qualquer Paulo Pinto Mascarenhas passa a empunhar o seu bastão e montado na sua burra, investe contra todos os moinhos da planície socialista!

Vamos ter eleições. Para o ano também!

Estou convencido que o Partido Socialista vai ganhar. Tem uma excelente lista, excelentes candidatos. Estou convencido que os portugueses irão reconhecer a competência e a excelência de alguns dos nomes que a compõem.

Quer isto dizer que iremos ficar melhor? Não creio.

Portugal está num “beco sem saída”. Duvido que alguém ou algum Partido consigam num futuro próximo, “levantar de novo o esplendor de Portugal”. Estou conformado. Eu e os milhares de compatriotas que diariamente optam por ir viver além-fronteiras.

Estou desmoralizado, é verdade. Já não acredito, deixei de acreditar.

Quem me dera ter estudado no estrangeiro…

21
Set12

A Casa dos Degredos

escadas

 

 

Uma sociedade avalia-se pela qualidade da sua programação televisiva!

Não sei se esta “máxima” é de algum teórico conhecido, mas vale a pena fazer “zapping” à volta deste conceito.

 

É verdade que cada país tem a TVI que merece, os Argentinos e Mexicanos por exemplo, conseguem passar um dia inteiro, em frente ao televisor (ou pantalla) a vibrar com os enredos das suas telenovelas preferidas. Basta analisar, mesmo que superficialmente, a vida deste dois países para perceber que as telenovelas, são o seu modo de vida!

Os americanos não vivem sem os seus enlatados, séries de 40 minutos entaladas entre ecrãs de publicidade de 10 em 10 minutos!

Nestas autênticas imitações de “Atum Bom Petisco”, a América está sistematicamente a salvar o Mundo e a loira acaba sempre por se apaixonar platonicamente por outro actor, sendo que esta relação vive sempre no fio da navalha, sem nunca se concretizar. Querem uma melhor metáfora sobre a sociedade americana do que esta???

Exemplos há muitos e não queria alongar-me muitos sobre isso, mas quero aqui deixar uma história, já com muitos anos, que nos leva aos tempos em que Samora Machel era Presidente da República Popular de Moçambique.

Contava-se, que Samora Machel teria visitado a União Soviética (sim já houve um país que se chamava assim) e que durante essa visita oficial, foi confrontado com uma “Roleta Russa”. Espantado com todo o aparato, perguntou como é que aquilo funcionava, ao que lhe terão dito, que o “jogo” consistia no duelo entre dois homens, que sentados em frente um do outro, disparavam alternadamente um revolver à cabeça. O risco da “coisa” consistia em começar o jogo com apenas uma bala no tambor da pistola e depois ir introduzindo mais balas, até que inevitavelmente um dos “jogadores” acaba por morrer. Michael Cimino retrata isto tudo de uma forma sublime no filme “O Caçador – The Deer Hunter”

Reza a “história” que Samora Machel teria ficado muito impressionado, com tudo quilo que viu e tratou de fazer algo semelhante, aquando da visita do seu homologo soviético Leonid Brejnev, a qual aconteceria daí a uns meses.

 

A coisa foi preparada e logo no primeiro dia, levaram Brejnev a uma sala quadrada sem janelas e sem iluminação, onde estavam cerca de 10 jovens moçambicanas sentadas no chão.

O Presidente russo ficou muito admirado com todo aquele aparato e ao questionar o presidente moçambicano, sobre a orgânica da “coisa”, este respondeu-lhe:

Senhor presidente, isto que está aqui a ver, é a Roleta Moçambicana. Todas as mulheres fazem sexo oral, mas só uma delas é que é canibal!

Como se vê enveredar por cópias é muito perigoso.

Para se copiar, tem que se copiar MUITO BEM!

Mas esta alegoria, serve para introduzir (e aqui este termos deverá ser entendido em todos os sentidos) o verdadeiro tema deste texto, a nossa programação televisiva.

As ideias estão lá, mas a operacionalidade está toda errada, se não vejamos.

Mário Crespo, está definitivamente fora de naipe. Já há muito se percebeu que ele estaria bem era como apresentador da “Casa dos Segredos”.

Por outro lado, Teresa Guilherme, deveria estar a apresentar na SIC, aquele programa de Gordos que sinceramente não me lembro do nome. A edição diária do programa, com o resumo dos melhores momentos, seria feita por Margarida Rebelo Pinto, a qual, como se sabe tem um apreço muito especial, por mulheres, como direi…um pouco mais redondas!

E que dizer daquele programa fantástico, apresentado por aquela senhora mexicana chamada Maia? É óbvio que está errado. Começa logo pelo nome. Um povo, uma civilização que não acerta na data do fim do mundo, não tem crédito nenhum. E posto isto, ainda se põe a adivinhar o futuro dos espectadores, com cartas????

Não senhor. Este programa foi feito de encomenda para o Professor Marcelo Rebelo de Sousa. Ninguém melhor do que ele, para todos os dias de manhã, altura em que tem menos catarro na garganta, se propor a adivinhar o futuro dos espectadores através da leitura de… livros e não cartas. Cartas, é terceiro-mundista, cheira a batota, decadência, livros é civilização ocidental, significa cultura e modernidade.

E depois temos o caso do Dr. Paulo Portas e do Dr. Passos Coelho, os quais como já se percebeu, estão no lugar errado, foi de facto um erro de casting!

Não estão em causa as suas capacidades, mas vendo bem as coisas, onde eles ficavam bem, era a apresentar o programa da TVI “ A Bela e o Monstro” e porquê??? Bem… sempre ouvi dizer que uma cabeleira loira faz milagres!!

Finalmente, uma ideia, que deixo aqui, para quem quiser aproveitar. É uma ideia que ando aqui a burilar, há uma série de tempo.

A ideia é esta.

 

Colocamos os membros todos deste executivo, dentro do Palácio de S. Bento durante 3 meses. Os seus passos, são vigiados pelos eleitores 24 horas por dia, através de câmaras de tv que são colocadas estrategicamente em todas as salas (menos nas casas de banho claro) e depois todas as semanas, a malta telefona para um número de valor acrescentado, para expulsarmos um deles.

O último a sair ganha um bilhete de ida para Estrasburgo!

O programa chama-se “A Casa dos Degredos” e é claramente uma aposta vencedora, pois se tivermos em conta o dinheiro que se recebe com as chamadas telefónicas, pagamos rapidamente a dívida que temos à Troika!!!

Genial não acham?

 

Como se vê, qualquer um de nós pode ser um Eduardo Cintra Torres!

Mais sobre mim

foto do autor

google+

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D