Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Escadas Rolantes

Na minha terra costuma dizer-se: Quando a merda chega à ventoinha, ficam todos cagádos!

Escadas Rolantes

Na minha terra costuma dizer-se: Quando a merda chega à ventoinha, ficam todos cagádos!

04
Jul17

OS MENINOS DO CORO

escadas

Na passada quinta-feira, as redes sociais foram inundadas com a notícia de que o governo (leia-se – Partido Socialista) tinha encomendado um “focus group” (leia-se sondagem), na sequência dos trágicos acontecimentos de Pedrogão Grande/Figueiró dos Vinhos, com o intuito de apurar se a popularidade do executivo tinha sido atingida/beliscada pelos infelizes desenlaces.

Muito sinceramente, o que me incomoda não é o facto de toda a direita em peso ter dado eco a esta “pseudo noticia”, fizeram bem, é esse o seu trabalho.

O que me incomoda verdadeiramente é passados tantos dias não ter ouvido um desmentido, uma palavra sequer por parte do Partido Socialista, o que me leva a concluir que, não tendo existido nenhum desmentido, é porque de facto a oposição tem razão e foi de facto encomendado um estudo de opinião e isso é que é tragicamente preocupante. E esta preocupação não se fica por aqui.

Lembram-se dos textos assinados por um tal Sebastião Pereira o “repórter invisível” que quase deitou abaixo o governo português com as crónicas relativas aos incêndios do Pinhal Interior? Muito se especulou (e continua a especular) sobre a verdadeira autoria dos referidos textos, mas há aqui quase que um sentimento premonitório que parece ter passado despercebido. Dizia o tal “agente infiltrado” do jornal espanhol El Mundo que “ a desastrosa gestão da tragédia pode por fim à carreira política do primeiro-ministro António Costa”, lembram-se?

Passadas duas semanas e quase como por acaso, ou talvez não, há quase como que uma concertação de acontecimentos que colocam em causa, agora sim, a credibilidade da gestão de António Costa e do Partido Socialista.

Primeiro foi colocada em causa a Ministra da Administração Interna, logo de seguida surge algo nunca visto, o roubo de armas em Tancos, questionando-se a forma como o gabinete de Azeredo Lopes conduziu o processo e pelo meio temos o Ministro da saúde em rota de colisão com as Ordens dos Enfermeiros e dos Farmacêuticos, para não falar na questão dos juízes e do diferendo que têm com a Ministra da Justiça, a qual acusaram de incompetência. Tudo isto no espaço de uma semana! Se isto não é uma concertação de acontecimentos, não sei o que seja…

E que reSpostas tem dado o Partido Socialista?

Onde estão as vozes que têm como obrigação a defesa dos interesses do País e do Governo? Nada…

Não perceber que a oposição, seja ela qual for, se organizou e fez os trabalhos de casa, apresentando agora os resultados é um erro de puro amadorismo.

Mais do que um eventual descalabro governativo, preocupa-me aquilo que a história dirá destes tempos, preocupa-me que esta oportunidade histórica seja desperdiçada por meia dúzia de meninos do coro a armar ao arrogante com um enorme défice de humildade!

coro.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

google+

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D