Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Escadas Rolantes

Na minha terra costuma dizer-se: Quando a merda chega à ventoinha, ficam todos cagados!

Escadas Rolantes

Na minha terra costuma dizer-se: Quando a merda chega à ventoinha, ficam todos cagados!

04
Dez14

FORA DE JOGO

escadas

liga.jpg

 

 

Não nutro particular respeito pelo actual Presidente da RTP.

Dito isto, sinto-me à vontade para reflectir sobre a mais recente embrulhada em que se meteu Poiares Maduro e o governo do PSD.

Parece-me óbvio que defraudadas as intenções de alienar um dos canais da RTP, tal como constava do seu programa eleitoral em 2011, o PSD mais não pode do que dar resposta “por atacado” a algumas vontades menos explicitas de alguns grupos de media,

concorrentes do próprio canal do estado.

Interessa desbaratar a todo o custo o universo RTP, retirando-lhe qualquer capacidade competitiva para depois vir alegar que se trata de uma operação demasiado dispendiosa para os cofres doe estado.

Só assim se pode perceber outra das embrulhadas que é a alienação do arquivo histórico e audiovisual da RTP e que algumas mentes “Cintrenses” alegam que já deveria ter sido vendido (ao desbarato de preferência) há muito tempo. Este episódio faz-me lembrar o que aconteceu com a rede de emissores, há uns bons anos atrás (sim, num governo do PSD) e que ditou o princípio do fim do canal público).

Mas voltemos à questão Poiares Maduro.

 

É licito criticarmos a forma como e de uma forma despudorada, o governo, através duma coisa por ele inventada e chamada “Conselho Geral Independente”, uma vez mais se intrometeu na gestão e ética editorial da RTP.

As desculpas, foram mesquinhas e reflectem apenas a mesquinhez e a falta de sentido estratégico de Poiares Maduro, o que também não é novidade nenhuma. Para estes senhores tudo o que possa dar lucro ou represente uma aposta ganhadora num qualquer operador privado, representa um atentado aos cofres do estado e um acto de má gestão… se for feito na RTP!

A pergunta que deve ser feita é a seguinte:

Se o negócio da “Liga dos Campeões” é algo que movimenta milhões na TVI, com inegável valor acrescentado, promovendo e aumentando entre outras coisas, a própria notoriedade do canal, porque é que operador público de televisão não há-de ter as mesmas possibilidades de comercializar e gerir idêntico produto?

A não ser… que alguém tenha prometido a alguém que o canal publico nunca entraria na corrida por este apetecível negócio…

As coisas estão neste pé: A RTP fechou negócio, lucrativo segundo dizem, os directores da RTP apoiaram em bloco esta decisão, o ministro não gostou ( a TVI também não), Paulo Portas em declarações ao Expresso, referiu-se ao caso nestes termos “Paulo Portas fez uma declaração ao Expresso: “Tenho dificuldade em compreender como é que uma empresa pública que se está a reestruturar e é financiada pelos contribuintes decide gastar recursos num mercado que em condições normais pode ser assegurado pelo setor privado” e como se tudo isto não chegasse, temos a Entidade Reguladora para a Comunicação Social a colocar-se ao lado da própria administração da RTP que entretanto já foi destituída por alegada falta de solidariedade institucional!

Se isto fosse uma qualquer dissertação académica, as próximas linhas ficavam reservadas para a CONCLUSÃO. Não o vou fazer.

As conclusões são demasiado óbvias e cabe a cada um de vós retirar as devidas ilações.

Uma coisa é certa. Ainda o jogo vai a meio e já forma mostrados demasiados cartões amarelos.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

google+

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub