Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Escadas Rolantes

Na minha terra costuma dizer-se: Quando a merda chega à ventoinha, ficam todos cagádos!

Escadas Rolantes

Na minha terra costuma dizer-se: Quando a merda chega à ventoinha, ficam todos cagádos!

27
Mar14

DEUS ABENÇOE OS JORNALISTAS!

escadas

 

 

40 anos depois de Abril de 1974, de uma coisa podemos estar certos, Portugal não é o mesmo!

Resta saber se estamos melhor ou pior.

Numa altura em que a Europa vira perigosamente à direita em circunstâncias nunca antes vistas, o populismo bacoco e demagógico, toma conta do nosso dia-a-dia.

Veja-se o caso da Ucrânia. Num dia, hasteiam-se as bandeiras da sempre democrática vontade popular, para logo no dia seguinte se indignarem por essa mesma frente libertária, ser afinal a frente de batalha de uma extrema-direita com ligações aos sociais fascistas alemães.

A maioria dos jornalistas portugueses, tratou esta questão com uma indiferença inquietante, como se a Ucrânia fosse numa outra galáxia, ou, o que é mesmo mais preocupante, se tivessem abordado o diferendo, de uma forma absolutamente gratuita e mais tarde terem compreendido que tinham errado e não quiseram dar a mão à palmatória.

O jornalismo português tem destas coisas. É tremendamente “naif”!

Durante anos, vendeu-se ao poder político, em troca de meia dúzia de tostões. Deixou-se manipular, rendeu-se a um poder fátuo e oligárquico. Quando acordou, reivindicou o estatuto de virgem arrependida, mas já era tarde demais!

É dos livros; Uma sociedade analfabeta é mais facilmente controlada. Salazar sabia disso, e manteve no obscurantismo durante quase 50 anos, todo um País. Negou-lhe o acesso à educação e á cultura e fechou as fronteiras para que nada pudesse contagiar esta sua doutrina. Estava eu a escrever estas linhas quando constato que o canal TVI, acaba de colocar hoje mesmo, dia 27 de Março, esta notícia: Idosa morre a jogar às cartas com uma mão perfeita. 

Entre esta “fantástica” noticia e a pseudo reportagem sobre o drama do Meco que Ana Leal tem realizado no mesmo canal de televisão, a diferença é mínima, mas em ambos os casos está patente o provincianismo arcaico a que estamos sujeitos neste pequeno País.

Calculo que Ana Leal não tenha estudado na BBC, nem por lá tenha estagiado, o que neste caso a deixa pior colocada no ranking nacional dos “Não Me Critiquem Que Eu Estudei No Estrangeiro”.

Nos últimos anos, a agenda mediática tem sido gerida como se de uma casa de meninas se tratasse. “Se não me deixas ir para Washington, passo a dizer mal de ti” - “vou dizer bem de ti e depois arranjas-me um lugar no ministério, ok?” – “olhe…o sr. Presidente manda pedir que invente aí uma coisa a dizer que o andam a escutar atrás das portas, não se importa? A gente depois acerta contas”.

Como se tudo isto não chegasse, temos ainda o caso dos comentadores (mais comentadeiros que outra coisa) que ao abrigo de uma qualquer agenda privada, usam e abusam do espaço publico que lhe é concedido pelos media. Não importa saber se são entendidos no assunto em questão, normalmente, um comentador sabe porque sabe, opina sobre todas as matérias e tem certezas absolutas sobre quase tudo. De futebol à problemática do piolho na couve-de-bruxelas, passando pelo conflito no atol da Rangirosa, ou à importação ilegal das miniaturas de garrafas de vinho do porto, tudo é passível de ser comentado pelo mesmo especialista.

Poder-se-á perguntar: mas não seria de esperar que os canais de televisão, ou mesmo os jornais e as rádios convidassem, professores universitários, investigadores ou mesmo cientistas, para falarem das “coisas”? Pois podiam, mas isso era correr o risco de se confrontarem com pessoas mais cultas e esse é um risco que não podemos correr, não é???????

Até já estou a ver: “Tou, fala do ISCTE? Olhe, não nos arranjam alguém para vir ao Jornal das 9, para falar sobre o impacto da relevância das Redes Sociais no programa eleitoral dos partidos políticos? Mas olhe que tem que ser alguém que não seja tão inteligente como o nosso pivot…”

Resposta do lado de lá: “lamento, mas a única formiga que tínhamos disponível emigrou para os Emiratos Árabes Unidos”.

Convenhamos, é mais bonito ter em directo um avozinho qualquer, a comparar os pelos púbicos com a situação económica portuguesa, do que ter Sampaio da Nóvoa a dissertar sobre os caminhos que devemos percorrer!

Há que ter consciência de uma coisa; o populismo neo liberal tomou de assalto as nossas vidas, comanda o nosso destino e a culpa por eles cá estarem é toda nossa. Se alguém tinha dúvidas existenciais sobre a diferença entre ser-se de direita e de esquerda, aqui têm a demonstração pura e dura daquilo que nos opõe, a esta corja de sanguessugas peçonhentas.

Não olham a meios para atingirem os seus fins, mentem descaradamente, manipulam e votam ao ostracismo quem lhe fizer frente. As regras do jogo são constantemente alteradas, com o único intuito de ludibriar, confundir, enganar. São os arautos do “Novo Mundo”, gente sem escrúpulos com acesso privilegiado aos meios de comunicação e que nos intoxicam diariamente com meias verdades ou realidades alternativas.

Em meia dúzia de meses, são promovidos pelos mesmos media a especialistas da “coisa” e passam a ser considerados pelos mesmos, como “ortodoxos” da palavra dada.

Os Camilos Lourenços e Cintra Torres desta vida, não são mais do que correias de transmissão de uma ideologia reacionária e fascizante. Fizeram escola e encontram seguidores nas doces e melosas promessas de um futuro risonho e próspero se… fizermos tudo o que eles mandam sem pestanejar, porque…ELES É QUE SABEM ELES É QUE TÊM RAZÃO, ELES É QUE ESTUDARAM NO ESTRANGEIRO!

No fundo, não passam de pessoas com a sua sexualidade mal resolvida. São pessoas que um dia acordaram e foram confrontados com o boato de que José Sócrates poderia um dia ser “o tal”, a sua alma gémea, o homem que um dia os poderia levar ao altar. Perante esta possibilidade, até a próstata rejubilou de alegria.

O sonho terminou pouco tempo depois, quando mesmo boato, indicava que afinal Sócrates já tinha um pretendente.

“Porquê, meu deus, porquê…” terão questionado os céus! “Porquê ele e não eu, o que terá um simples actor de teatro a mais do que eu? Já sei, estudou em Londres, no estrangeiro, Ah malandro que desta vez já me ganhaste” terão concluído!

Vendo bem as coisas, isto é informação a mais para qualquer pessoa. Perante isto, qualquer Paulo Pinto Mascarenhas passa a empunhar o seu bastão e montado na sua burra, investe contra todos os moinhos da planície socialista!

Vamos ter eleições. Para o ano também!

Estou convencido que o Partido Socialista vai ganhar. Tem uma excelente lista, excelentes candidatos. Estou convencido que os portugueses irão reconhecer a competência e a excelência de alguns dos nomes que a compõem.

Quer isto dizer que iremos ficar melhor? Não creio.

Portugal está num “beco sem saída”. Duvido que alguém ou algum Partido consigam num futuro próximo, “levantar de novo o esplendor de Portugal”. Estou conformado. Eu e os milhares de compatriotas que diariamente optam por ir viver além-fronteiras.

Estou desmoralizado, é verdade. Já não acredito, deixei de acreditar.

Quem me dera ter estudado no estrangeiro…

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

google+

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D