Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Escadas Rolantes

Na minha terra costuma dizer-se: Quando a merda chega à ventoinha, ficam todos cagados!

Escadas Rolantes

Na minha terra costuma dizer-se: Quando a merda chega à ventoinha, ficam todos cagados!

19
Nov19

A MORTE NUNCA EXISTIU

escadas

Tal como a maioria dos meus amigos da altura, com excepção talvez daqueles cujos pais tinham actividade política, nenhum de nós tinha uma cultura musical digna desse nome. Em Abril de 1974 o meu universo musical resumia-se aos Genesis, Mike Oldfield, Black Sabath e Pink Floyd. Quanto a música portuguesa…NADA!

Uma semana após a revolução, um casal que vivia mesmo ao lado dos meus pais convidou-me para ir lá a casa ouvir umas músicas novas. Foram eles que me mostraram pela primeira vez o álbum “Margem de Certa Maneira” do José Mário Branco. Não será exagero dizer que nos dias seguintes devo ter ido lá a casa ouvir o disco mais de 20 vezes. Até ter gravado uma cassete com o dito disco, era esta a minha rotina diária: chegar do liceu, arrumar a mala e ir par casa deles ouvir José Mário Branco. Havia qualquer coisa naquela dialética que me inspirava, talvez fosse a musicalidade a imprevisibilidade das melodias…

Foi com José Mário Branco que aprendi termos como “Luta de classes” “justiça e igualdade” e “serventio a trabalhar” e por isso também eu lutei para meter um pauzinho na engrenagem por que queria ter companheiros de viagem.

Depois da “Margem de Certa Maneira” veio o “Mudam-se os Tempos Mudam-se as Vontades” (apesar de ser anterior) e com ele todo um novo mundo, que incluía o Sérgio Godinho, Zeca Afonso, o Adriano Correia de Oliveira e o António Carlos Jobim. Foram dias, semanas, meses, em que amadureci muito. Apaixonei-me por aquelas letras por aquela poética amarga e notoriamente escrita por pessoas que tinham sofrido, coisa que eu também não fazia ideia o que era: sofrimento!

A música de José Mário Branco acompanhou toda a minha vida. As cassetes com a discografia dos Genesis passou a ter sempre como companhia estes dois álbuns, cresci com eles. Naqueles meses de 1974 estava longe de pensar que um dia mais tarde viria a conhecer e a trabalhar com ele(s). De facto em 1990 fui convidado pelo próprio a criar o logotipo da UPAV “União Portuguesa de Artistas de Variedades” que tinha à frente além do Zé Mário, o Carlos do Carmo. Na altura produzi uma caixa de discos, tipo colectânea da qual faziam parte a Dina a Maria Guinot o Jorge Lomba, a Alexandra e obviamente o Zé Mário e a Manuela de Freitas.

A UPAV era uma espécie de agência de artistas que visava promover a carreira artística dos seus associados. Carlos do Carmo e o Zé Mário Branco depositavam muita fé neste projecto e posso afirmar que me tirou muitas horas de sono; era o meu ídolo que ali estava, a minha bandeira, apesar disso nunca lhe confessei a profunda admiração que sentia por ele.

Faz parte da minha lista de coisas a fazer antes de me reformar, realizar um programa de rádio onde possa passar o seu “FMI”, se não sabem do que estou a falar, procurem no youtube e deliciem-se com uma das obras primas da música portuguesa! A obra de José Mário Branco era como um filme, imprevisível, belo, apaixonante e esta paixão cativa quem o ouve. Ainda hoje quando preciso de me animar coloco o som bem alto e ouço “A Cantiga é Uma Arma” do “GAC”, aliás este tema motivou a autoria (em colaboração com o Viriato Telles) a produção (e a apresentação já agora) de um programa gravado ao vivo no Largo do Carmo em Lisboa, que a RTP emitiu em 1997 e que assinalou as comemorações da Revolução de Abril de 1974.

Este é o melhor elogio que posso fazer nesta altura à memória e à obra de José Mário Branco: quando a minha filha nasceu, elaborei uma play list de músicas para a acompanhar à noite e a ajudar a adormecer. Uma dessas músicas era a “Ronda do Soldadinho”.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

google+

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub