Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Escadas Rolantes

Na minha terra costuma dizer-se: Quando a merda chega à ventoinha, ficam todos cagádos!

Escadas Rolantes

Na minha terra costuma dizer-se: Quando a merda chega à ventoinha, ficam todos cagádos!

16
Out15

A Chave de Hiram

escadas

DSC_7960.jpg

 

Passavam poucos minutos das 23:00 horas.

Aquela noite do dia 21 de Novembro de 2014, estava a ser particularmente proveitosa. Já tinha lido e relido vezes sem conta a minha Tese de Mestrado que iria defender 3 dias depois. A estratégia estava afinada e, pensava eu, nada poderia acorrer mal, era o culminar de longos meses de investigação, de leituras académicas, de discussões nem sempre pacíficas e de muita perseverança!

O “ruído de fundo” estava como sempre na SIC Notícias, e aqueles foram momentos que jamais esquecerei. Em rodapé, passava a informação: "Sócrates detido no Aeroporto da Portela".

 

À paralisia momentânea, sucedeu-se a perplexidade do momento, e a conclusão lógica de quem acaba de levar um valente murro no estômago – A defesa da tese iria ser adiada, é que há um pormenor que na altura apenas alguns sabiam; o tema da minha investigação era precisamente…JOSÉ SÓCRATES!

As chaves de Hiram, O agendamento dos media e o condicionamento da opinião pública na crise política de 2011” foi o tema escolhido para concluir o meu mestrado em Ciências da Comunicação, Cultura e Tecnologias da Informação. Obviamente que o meu “drama” estava longe, muito longe, do drama que José Sócrates estava a viver naquela altura, mas a minha intenção inicial foi mesmo a de adiar a coisa. Amigos comuns aconselharam-me a não o fazer e vendo bem as coisas, ainda bem que segui em frente.

 

Como militante socialista que sou, segui escrupulosamente as orientações dadas pelo Secretário-Geral do PS, António Costa, relativamente à detenção de José Sócrates.

Durante todo este tempo, nunca me pronunciei sobre o caso; à justiça o que é da justiça, à política o que é da política. Não encontrarão nos meus escritos, nem uma só palavra sobre a detenção mais polémica de sempre ocorrida em Portugal.

Entendi que tal como disse António Costa, se deveria evitar a todo o custo, contaminar a campanha eleitoral (e esse foi desde o inicio a intenção da direita portuguesa como se viu no primeiro debate entre Passos e Costa), com outros assuntos que não os estritamente necessários, e estes eram, claro está, as propostas politicas do Partido Socialista.

Os meus dilates, confinaram-se a um pequeno círculo de amigos!

O guião desta autentica novela mexicana, nunca foi novidade para mim, li e escrevi sobre ela mesmo antes dos acontecimentos ocorrerem.

Era pois óbvio, que passado o acto eleitoral que ditou a vitória da direita, a prisão de Sócrates se tornava completamente desnecessária, seria portanto uma questão de dias. Foi hoje!

Conheço Sócrates há muitos anos, trabalhei com ele, fiz campanha com e por ele!

Tenho por ele uma admiração que poucos compreenderão (às vezes até eu), e como tal permitam-me que me reserve em mais considerações.

Este texto não serve de justificação seja para o que for, não preciso de o fazer, mas agora que podemos todos respirar um pouco mais de ar puro (ou menos poluído), é altura de fazermos todos uma retrospectiva e questionarmos a justiça que alguns teimam fazer em Portugal.

Não foi para isto que muitos portugueses deram a vida.

Não foi para isto!

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

google+

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D