Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Escadas Rolantes

Na minha terra costuma dizer-se: Quando a merda chega à ventoinha, ficam todos cagados!

Escadas Rolantes

Na minha terra costuma dizer-se: Quando a merda chega à ventoinha, ficam todos cagados!

31
Jan13

A Paz Podre

escadas

Agora consigo imaginar a sensação de desespero que perpassa pelos jovens portugueses que decidem emigrar.

A sensação de abandono, quando chegados ao aeroporto e prontos para embarcar, olham para trás e reflectem:

- Gaita…não quiseram saber de mim!

 

Mal comparada, esta sensação de “orfandade” só encontra paralelismo, naquela história do marido, que desesperado por já não conseguir olhar para a cara da mulher e sem coragem para acabar com a relação, avisa que vai à rua comprar cigarros e…nunca mais volta. Obviamente que esta atitude é reprovável, mas o que leva a que uma pessoa esqueça toda uma vida e parta para outra, dá que pensar.

 

Compreendo a sensação de abandono que alguns sentem nesta altura.

Mas vendo bem as coisas, não será que a culpa em parte é também nossa?

 

Quando em 1961 disse "Não perguntes o que o teu País pode fazer por ti, pergunta o que podes fazer pelo teu país!", John Kennedy contestava o tom “sebastiânico” com que normalmente a sociedade enfrenta os seus desafios.

O que é desejável, é que apareça por aí a esvoaçar pelos ares, um qualquer Super-Homem, que envolto na sua capa azul, consiga por nós, vencer “os maus” e derrubar todos os obstáculos!

O problema é que não vivemos no Mundo da “Marvel” e como tal temos mesmo que fazer pela vida, pois ninguém o fará por nós. Enquanto não nos capacitarmos disso e continuarmos à espera do nosso Super-Homem, seja ele qual for, não conseguiremos ir a lado nenhum.

Cada um de nós tem que agarrar na sua capa (o maillot pode ser dispensado) e partir por aí em busca da sua guerra!

É preciso lutar!

Nós não precisamos de consensos, precisamos de rupturas! E esta é uma realidade que os nossos políticos tardam em perceber.

Foi este inconformismo que levou D. Afonso Henriques a sonhar com uma coisa chamada…Portugal.

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

google+

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub